13 de fev de 2011

Daaah!


Nossa, quanto tempo que não venho aqui! Chega a ter teias de aranha *tira as teias*. Minha vida anda numa correria que putz... Os fatos não serão organizados em ordem cronológica, por mais que eu goste disso hehehe

Bom, pra começar, Sexta passada eu arranquei o dente do ciso, o esquerdo. Minha Nossa, o que foi aquela dor? Eu tinha febre, não conseguia comer, o que dirá beber água! Emagreci quase um quilo, não conseguia comer nada... A dor começou no domingo. Marcelo me convidou pra fazer trilha com ele e o Gabriel, e já estava doendo. Fomos os dois almoçar na minha tia, já estava aumentando a dor. Na segunda feira, eu acordei com o rosto parecendo que estava com caxumba. A dona Vera me liberou mais cedo, vim correndo pra cá e procurei um dentista que foi enfático ao dizer que eu tinha que arrancar o ciso. Ia arrancar na terça, mas minha mãe me convenceu de arrancar na Sexta, então aguentei a dor a semana inteira. Foi um inferno, sério. Eu delirava, tamanha era a dor, acordava no meio da noite, meu coração batendo mega rápido, falando o nome dos médicos que me ligavam pra reservar hospedagem e passagem aérea assim, um atrás do outro, tinha pontas de febre, enfim, foi horrível. Eis que sexta chega. Arranquei o dente e por incrível que pareça, deve ter durado no máximo 40 minutos e doeu só um tiquinho (a anestesia dói e na hora que o bicho está saindo também, por causa da força que o dentista faz). Inchou mais durante a semana do que quando tirou o dente. Mas quando a anestesia passou, fiquei doida de dor, e pior, sozinha em casa. Nem o remédio aliviava.

Acho que a pior parte foi ficar "enclausurada" o final de semana inteiro em casa, porque estava sol e eu não podia pegar sol. Se ano passado eu não via problema em ficar em casa, esse ano, que não passei um finde dentro de casa (tirando esse), pronto, fiquei doida pra caramba. Fiquei tão desesperada, mas tão desesperada que domingo cometi um error horroroso: terminei com o Marcelo. Bem, vamos por partes, diria Jack.

Mês passado, nós nos encontramos num Sábado e ele me confessou que tinha um rolo que estava viajando e que "gostava muito mesmo dela", assim mesmo, com o "Muito" no meio. Aquilo me magoou de tal forma que levantei e saí andando. Nós meio que brigamos, fizemos as pazes, ok. Mas sabe quando fica perturbando, lá no fundo?, é, fiquei assim. Já na ira de passar o finde em casa e com o "ela volta em Fevereiro" ecoando na minha cabeça, chamei ele no msn e bem, nós brigamos. Ou eu briguei com ele... enfim, nós acabamos terminando. Se fosse até outro caso, eu não ia me importar tanto. Quando Rodrigo e eu 'terminamos', doeu, mas não foi nada comparado ao que aconteceu dessa vez. Porque eu sabia que tinha feito uma tremenda idiotice e que talvez não fosse dar pra voltar atrás. Marcamos de nos encontrar no dia seguinte, segunda feira, pra resolver isso. Estava meio errado porque me prometi não encontrá-lo durante os dias da semana porque eu não quero que ele vá embora, ficamos juntos até um tico mais tarde e no dia seguinte é um saco pra acordar.
Ele me buscou nas barcas (nesse dia voltei de barca), pegamos o metrô, tudo normal. Chegamos no shopping, lanchamos, essas coisas, mas eu não sabia como introduzir o assunto, porque ainda estava meio 'fresco' e não queria brigar com ele de novo. Ele quem puxou, perguntando o que eu queria saber. Nos primeiros minutos eu não falei, porque achei que ia chorar de novo, mas depois falei o que tanto me incomodava. A principal pergunta era "E agora?"; eu queria continuar, mas uma coisa era eu querer e ele não. Ele disse que tinha se decepcionado com a menina e que ia ser complicado de esquecê-la, mas que talvez eu pudesse ajudá-lo a fazer isso. Isso pra mim tem duplo sentido, de ser "a que sobrou" e de ser "quem sabe tomar o lugar", enfim, não sei explicar... Quando ele começou a falar em terceira pessoa sobre mim, eu senti que talvez, lá no fundo ele quisesse continuar, então, mesmo com pontos na boca, roubei um beijo dele (ando atiradinha, não? lol).

O "E agora?" foi sendo definido durante a semana, por meio de mensagens por telefone e msn. Eu sei que ele gosta de mim, talvez não como uma namorada, assim como eu não gosto dele como um namorado, mas é bom curtir os dias, um de cada vez. Ontem começou o escoteiro dele (ele é escoteiro), então só nos encontramos de noite, fomos ao cinema.

Agora, repensando na noite, é como se nunca tivéssemos "terminado"; assistimos meio filme (ou nem isso), fomos pra Praia de Botafogo, sentamos na areia e ficamos conversando coisas totalmente aleatórias. Eu gosto muito dessas partes, porque eu sinto que ele é alguém com quem eu possa conversar sobre certos assuntos que talvez com outras pessoas, até mesmo minha mãe, não me sentisse tão a vontade. Conversamos sobre presidente do Egito, Ditadura Militar, Fernando Collor de Mello... com quem eu poderia falar de coisas tão chatas como essas? Odeio política, ele também não gosta, mas o assunto caiu pra isso e fomos levando. Depois conversamos sobre qualquer outra coisa; foi quando minha mãe ligou (óbvio, né, estava tudo muito bom pra ser verdade!), perguntando se eu não pretendia voltar pra casa porque já ia dar três horas da manhã! Eu odeio quando eles fazem isso. Trabalho feito uma corna a semana toda, quando tenho uma folga, pra 'namorar', ficam me controlando, aff! Viemos pra casa (ele me trouxe aqui), namoramos mais uns dez minutos e então subi, ia dar quatro horas da manhã. Meu pai tinha ido dormir e minha mãe que estava esperando, com aquela tromba. Aproveitei e falei com ela, que eles sabiam muito bem que eu não era idiota o bastante de aceitar carona de desconhecidos, ainda mais se tinham bebido; falei que eles conhecem o Marcelo e que eles sabiam que o Marcelo tinha prometido pra mim que ia cuidar de mim, estivéssemos ficando ou não; e que por mais que fosse muito cedo, que eu confio nele, sei que ele não é babaca o bastante de fazer algo contra mim. Minha mãe disse que o problema é a segurança da cidade. Ahan, conta outra :P Sei que quando bati na cama, apaguei. Ele me mandou uma mensagem quando chegou em casa, e eu me senti mais calma, porque ele já estava em casa (sempre peço para os meus amigos avisarem quando chegaram em casa, eu me preocupo muito fácil), daí dormi mesmo.
Acordei com o celular escandaloso do meu pai tocando do meu lado, porque estava carregando. Dormi de novo e acordei quase dez da manhã. Óbvio, passei o dia com um puta sono.

Fui ver minha avó Alvina ontem, no hospital. Ela ainda está no CTI, mas ela está ótima. Escreve o que quer e cisma que estamos fazendo complô para que ela não possa comer melancia (ela adora melancia lol) e andar (mas tem os aparelhos, né). Pelo menos ela está aos poucos tirando o respirador, então... ^^

E hoje de manhã, fui ver minha avó Vita. Achei um barato a minha tia e ela falando pro meu pai que ele tinha que se modernizar, não pegar no meu pé como está (ele está beeem mais calmo, só reclama mesmo do horário). E a Débora, minha tia, que disse "Devia ter chegado às sete da manha, minha filha" lol Marcelo adorou ela. Quando saímos da trilha, fomos almoçar na casa dela e o gente todo pirado dela "fez sucesso". Hoje, quando contei pra ele o que ela havia dito (de chegar às sete), ele falou que adorava ela. Quem olha e lê assim até pensa que somos namorados, mas não somos, ok? Hahahaha só somos bestas mesmo xD

Quanto ao trabalho, estou apaixonada pela minha profissão. Óbvio que quero e vou fazer mais duas faculdades (Geologia e Letras Português-Chinês), mas tudo ao seu tempo. Primeiro preciso normalizar a correria e a bagunça que está minha vida, para poder fazer as coisas com calma. A Bárbara saiu, então assumi o COBRAPEM, em Ouro Preto, em Abril. Só não emito passagem aérea porque tenho um tremendo medo, ainda não peguei o jeito, então peço pro Fábio fazer.
Lá na agência, somos em cinco: Mariane (que entrou agora), eu, Fábio (que é quem está há mais tempo), dona Vera e sr. Marino, diretora e dono da agência, respectivamente. Tudo que não sei fazer ou tenho dúvida, eu pergunto; melhor ser assim do que fazer errado e dar titica, né? Todo mundo se ajuda, é muito legal. Os médicos (os congressos são de Pediatria) são enrolados, estressam, mas tento fazer tudo com calma. Quando faço a reserva por telefone (agora que estou começando a pegar o jeitinho), tento ser natural, mesmo que pra ser "natural" eu tenha que aumentar meu tom de voz e minha letra rs. É super bacana ver alguém te perguntando alguma coisa, você ajudar e ela te agradecer mil vezes. Geralmente sou a pessoa que fica agradecendo por tudo.

Ah, informação nada a ver. Antes eu ia e voltava de barca, npe, ia pro Centro e de lá pegava a barca pra ir e o busão, pra voltar pra casa. Pra ir, acordava às seis da manhã, ia com meu pai, tomava café com ele e pegava a barca oito e vinte, chegando oito e quarenta. Descobri que o ônibus que passa aqui no bairro, posso pegá-lo às sete e quarenta que ele me deixa oito e meia na porta do escritório. Na volta, ia até as barcas, chegava no Centro às sete e até chegar em casa era oito horas, por causa do trânsito. Agora, pego o mesmo ônibus que vai direto, e ele me deixa na porta de casa às sete e dez. Não é uma maravilha? lol É que eu pego o contra-fluxo. Quando todos estão indo pro Rio, estou indo pra Niterói; quando estão indo pra Niterói, estou indo pro Rio, quase não pego trânsito ^^

Que mais... não sei '-' Acho que falei muito até...

Até a próxima.
xx

3 comentários:

Yayoi disse...

Ah se fosse verdade esse negócio de eu estar flechando o coração dos homens xD Ou se estou nem tô percebendo *lerda* Tirando o carinha do atacado porque aquele NÃO tem como não perceber!!

Mas olha quem fala, dona Deborah /sei

Espero que você e ele fiquem juntos, já que se dão bem. Só achei mancada ele não ter dito desse "rolo" dele ¬_¬ Homens... Mas, pelo menos, agora ele foi sincero e bom, ajuda ele a esquecer a menina (sei lá o que rolou, mas enfim).

Ah, e da próxima vez, namora na rua e não no cinema! A entrada tá muito cara pra desperdiçar! xDDD Brincadeira.

Que bom que sua vovó melhorou ^^
Dona Deborah aprendeu a ser atirada ou sempre foi e tava escondido? xD *corre da tijolada*

Yayoi disse...

Ah mais uma coisa, vc sabe como faz pra não se apaixonar? É que não quero sabe... Quero e não quero... Ah nem sei mais... *a véia complicada*

Yayoi disse...

Ah, mas eu já me apaixonei, poxa e não faz muito tempo. Acredito que vc tenha lido sobre o idiota, imbecil, infantil e mais uma porção de coisa, do J, certo? Então... Se apaixonar é até bom, mas... Ah como eu queria saber se é recíproco pra não cair a cara u_u (Tô parecendo uma adolescente em crise xD)