21 de out de 2008

Criei este blog pra poder dividir com vocês as coisas bobas que passam na minha cabeça. É capaz de eu escrever muita asneira; então, se você achar muito ruim e quiser me xingar, go on and talk. ^^

Vou começar com uma short fic que acabei escrevendo hoje, na aula de Agenciamento Nacional (nossa, que coisa feia, né xD Mas dê um desconto, eu não consigo me concentrar em fazer um roteiro com gente falando ao mesmo tempo! E aquele roteiro estava complicado, nossa! @_@)

Sei que não está legal, mas enfim, é uma short fic. Não dá pra entender bem. Mas muitas coisas que eu escrevo e não mostro para os outros não tem sentido explicitado.

.x.x.x.x.x.

Short Fic (1) - So I

Ele estava ficando nervoso, ela não chegava nunca. Talvez.. talvez ela tivesse se esquecido dele, afinal, foi um encontro em cima da hora.

Hyuk Jae e Sang Jin se conheceram em um meeting do Super Junior. Ele estava cansado, já devia ter escrito umas duzentas vezes seu nome. Ao seu lado, Yesung estava quase dormindo. Todos estavam exaustos.
E então ele a viu, chegando com uma amiga. A fila tinha diminuído bastante, chegando a quase três pessoas.
- Olá, - ela sorriu para ele. - você está bem? - perguntou, quando ele coçouos olhos.
- Só estou um pouco cansado. - disse, bocejando e logo se desculpando.
- Não é melhor o oppa ir para casa? Não parece bem mesmo, está... pálido!
- Não se preocupe comigo, está tudo bem. - ele sorriu, e ela endireitou-se. Ele era o seu integrante preferido, já tinha ido no show e vira que ele não era aquilo tudo que ela havia imaginado. Sang Jin tinha se decepcionado, mas, nem por isso, deixaria de gostar dele. Era especial, especial demais. E pessoas especiais não saem com tanta facilidade de nossos corações. - Como se chama?
- Jung Sang Jin. - ela ainda estava intrigada. Ele estava muito, muito pálido. - Escute, Hyuk Jae, não sou médica e só quero mesmo o seu bem. Você parece.. estar passando mal.
- Eu estou bem, Sang Jin-ssi. - ele disse, mas não queria admitir que ela estava certa. Ele realmente não se sentia bem, suas costas estavam doendo e seus olhos se fechavam involuntariamente. Logo, Eunhyuk sentiu uma mão em sua testa, uma mão gelada tocando sua quente pele.
- Imaginei. - disse Sang Jin, preocupada. Com os olhos, procurou o líder do grupo, e logo viu Lee Teuk atendendo a última pessoa da fila. - Eu já volto.
- Espere.. Sang Jin! - ele tentou dizer, mas ela estava já perto de Teuk, lá no começo da fila.
Sang Jin esperou a outra menina sair de perto para apoiar-se na mesa. Teuk tampava a caneta, mas logo a destampou.
- Não vim pedir autógrafo, Teuk oppa. - ela disse, séria. Ele deu um sorrisinho.
- Então...?
- Vim falar contigo sobre aquele ser chamado Lee Hyuk Jae.
- Ele te tratou mal? - Teuk deu um sorrisinho, e KangIn bocejou, se espreguiçando e dando um sorrisinho.
- Não. Ele está com febre. - Teuk perdeu o sorriso. - Está queimando.
- Como? Eunhyuk hyung está passando mal? - Ryeowook se levantou na mesma hora, fazendo com que a cadeira virasse.
Nessa mesma hora, Eunhyuk deitava a cabeça em cima da mesa, não respondendo à pergunta de Yesung, pegando no sono quase que imediatamente.
- Eunhyuk! - ele balançou o amigo, que não respondeu. - Eunhyuk! Teuk hyung, Teuk hyung, Eunhyuk não me responde!
Teuk deu um pulo da cadeira, Ryeowook saiu correndo. E Sang Jin também correu até Eunhyuk, que não respondia aos cutucões e balanços de Yesung. Donghae percebeu seus amigos perto de Eunhyuk, logo que chegava do banheiro. Imediatamente correu para perto dele.
- O que houve com ele?
- Ele está com febre, muita febre! - comentou Ryeowook, colocando a mão na testa do menino deitado.
- Eun Gun unnie, unnie! - Sang Jin chamou sua melhor amiga, que sabia bem como lidar com momentos como este, e agora estava esperando a amiga do lado de fora daquela sessão da livraria.
- O que... o que houve com ele? - perguntou, preocupada. afastando a franja da testa de Eunhyuk.
- Noona, nos ajude! - comentou Yesung, sério. Eun Gun ergueu uma sobrancelha.
- Unnie pra ela, dongsaeng pra você, está me chamando de velha por que? - disse ela, séria.
- Unnie! Por favor, precisamos fazer alguma coisa! - Sang Jin estava nervosa.
- Donghae, chame o manager hyung, precisamos levá-lo para o hospital! - disse Teuk, sério.
- Cadê todo mundo? - perguntou Eun Gun.
- Estão lá dentro, resolvendo umas coisas. - Kangin estava tenso.
- Fiquem aqui, nós vamos procurar ajuda, ok?
- Eu vou com vocês!
- Você fica, Yesung! - Eun Gun o empurrou de leve. - Fique aqui com eles, nós vamos procurar ajuda!
- Mas eu quero ajudar também!
- Hyung, vamos atrás do manager! - Ryeowook puxou-o pela mão e eles correram para dentro de uma sala.
- Continuem tentando acordá-lo, nós já voltamos. - Eun Gun correu para a porta, mas Sang Jin não se moveu na mesma hora. Pegou seu chaveiro, tirou uma das correntinhas e pôs na mão fechada de Eunhyuk. Donghae olhou para ela logo depois desta atitude.
- Uma forcinha extra. - ela sorriu e Yesung fez o mesmo. - Cuide dele, Donghae oppa, eu sei que pode.
- Sang Jin, ande logo! - apressou Eun Gun. Ela saiu correndo pela porta.

Quando Eunhyuk acordou, ele estava em casa, e alguém segurava sua mão.
- Hyung, você acordou! - Ryeowook coçou os olhos, olhando HyukJae, que tentava se levantar. - Não, não, você ainda está fraco..
- O que...? - ele sentiu algo em sua mão esquerda, e, abrindo-a, viu uma correntinha de coração.
- Você passou mal lá na sessão de autógrafos. - o outro esclareceu, preocupado. - Se sente melhor?
- Sim. - ele ainda estava encucado com aquela correntinha. A última coisa que se lembrava era uma menina perguntava se ele estava bem, depois algo gelado. Seu pensamento foi cortado quando a porta se abriu e Donghae entrou, todo preocupado.
- Acordou! - comentou ele, baixo, chegando perto. - Vá comer alguma coisa, eu fico com ele. - Ryeowook sorriu para Donghae e apertou-lhe a mão antes de sair do quarto. - Se sente melhor? - perguntou o mais velho, se sentando na cama de Hyuk Jae.
Ele apenas fez um balanço de cabeça, ainda mirando aquela correntinha.
- De quem é isso?
- De uma menina que estava no meeting. - Donghae deu um sorrisinho. - Ela pôs na sua mão, quando saiu pra procurar ajuda, logo depois que você desmaiou.
- Eu desmaiei?
- Ahan! - Donghae deu um sorriso triste. - O médico disse que era cansaço. - Hyuk Jae virou aquela corrente nas mãos. - E eu concordo com ele, esses dias, estamos trabalhando em quádruplo.
- Você lembra o nome dela, hyung?
- Acho que era Sang Jin. E a amiga dela se chamava Eun Gun, dessa eu lembro bem. Porque só ela voltou com um segurança e um médico.
- E a Sang Jin?
- A Eun Gun me disse que ela não conseguiria entrar e ver você naquele estado. - Donghae disse, e Eunhyuk novamente virou aquele coraçãozinho nas mãos. - Na verdade, nenhum de nós, mas disse que você era diferente. Porque você é o preferido da Sang Jin.
Eunhyuk sentiu seu corpo fervendo por dentro. Enquanto falava com ela, no meeting, estava realmente se sentindo mal, faz fazia de tudo para não deixar transparecer. Se ela não tivesse percebido que ele estava com febre, ele poderia ter desmaiado no banheiro, como da última vez que teve febre. Foi um custo para os outros abrirem a porta.
Enquanto estava dormindo, ele só sentia como se alguém estivesse cobrindo-o com um cobertor bem quente e o abraçava para dar-lhe mais calor. Ele sentia que seus avós estavam com ele. Ele sentia como se sua prima estivesse brigando com ele, junto com sua irmã, para que ele acordasse logo. E foi justamente o empurrão de SoRa que o fez acordar.
- Hyung, faria um favor pra mim?

E agora, lá estava ele, na frente da livraria, de noite, estava ficando frio. Talvez ela tivesse esquecido do encontro que Donghae havia marcado, depois que viu que o tempo estava frio.
Seu rosto iluminou-se, um sorriso apareceu em seu lábios e uma onda de felicidade aqueceu seu coração quando viu uma pessoa dobrando a esquina. Esta usava um casaco preto com um desenho na frente, o que fez Eunhyuk sorrir ainda mais.
- Desculpe pelo atraso. - ela se desculpou. - Só consegui ser liberada do trabalho agora.
- Tudo bem. - ele sorriu, simpático.
- Uhn.. - ela chutou um pouco da neve que tinha no chão. - Como se sente, EunHyuk?
- Melhor, Sang Jin-ssi. - ambos deram um sorriso tímido. - Quero dizer, melhor agora. - ela ruborizou.
- Vamos entrar? Está frio de verdade e você ainda não está em perfeitas condições de ficar até tarde da noite, na rua. - ela apontou para a livraria.
- Está fechada, Sang Jin. - ele colocou as mãos dentro dos bolsos. - Está tarde.
- Sim, está. Não tiveram show hoje?
- Não. Na verdade, se o manager souber que eu não estou em casa, me cuidando, me mata amanhã de manhã. - ela deu um risinho. - Estava pensando.. não gostaria de dar uma volta?
- Por mim, tudo bem. Só fico preocupada porque você ainda não está 100%. - disse ela, quando começaram a caminhar perto do parque.
- Eu estou melhor. Na verdade, eu estou muito bem.
- Fico muito feliz por isso, Eunhyuk, de verdade.
Eles caminharam por alguns minutos em silêncio, perto do parque que há próximo ao Rio Han. Quando chegaram na pontezinha, pararam por alguns minutos para observar o outro lado, onde tinha diversas luzes preenchendo o negro céu.
- Obrigado por ter ido no meeting. - disse ele, se recriminando logo depois de não ter dito o que realmente queria dizer.
- Eu gosto do Super Junior. Sou uma E.L.F, mas uma E.L.F consciente. - ela deu um sorrisinho. - Consciente até demais, eu acho. - ele sorriu. - Não persigo, não falo mal, o meu gostar é saudável.
- As E.L.F's são as minhas asas. Não sei o que eu faria sem elas.
- E nós não saberíamos muito bem como prosseguir se um de vocês ficasse muito doente. - ela deu um sorriso para ele, que retribuiu, colocando a mão no bolso.
Ele tremia quando apertou a corrente em formato de coração dentro de seu bolso. Só tinha falado com ela por alguns minutos, antes de passar mal, nunca havia visto aquela menina na vida. Mas já sentia um grande carinho desde que Donghae havia contado-lhe sobre ela. Eun Gun, como tinha ido para o hospital para se certificar de que ele seria atendido muito bem (já que ela era médica), havia contado para Donghae sobre o carinho grande que Sang Jin tinha por Lee Hyuk Jae, popularmente conhecido como Eunhyuk. Desde o carinho master até o carinho daqueles dias, quando tinha diminuído ao ver que tinha imaginado muita coisa.
Sang Jin mirava o outro lado do rio. Um lado dizia que era para ela gritar, surtar e chorar, afinal, estava tarde da noite, na rua, com seu integrante preferido do Super Junior; mas outro lado, o que falava mais alto, falava para ela agir normalmente. Ele era igual a ela, normal. ele aparecia na televisão e tinha milhares de fãs, a única diferença. Ele era um idol. Não o menino que aparecia nos seus sonhos. Ele poderia ter a garota que quisesse, por que escolheria ela, afinal de contas?
- Acho que isso é seu. - a mão aberta dele apareceu diante de seus olhos, e ela olhou para ele, pegando-o.
- Obrigada. - ela pôs a mão no bolso e procurou sua chave. Tinha um chaveiro da Moranguinho, faltava a de coração para poder ficar como sempre esteve.
Sang Jin tentou prender o chaveiro novamente, sem sucesso. Eunhyuk prendia o riso ao ver a complicação dela com algo tão simples, até que resolveu ajudá-la.
- Deixa que eu faço isso. - disse, puxando as chaves e o chaveiro, encaixando-os rapidamente. Entregou para ela.
- Obrigada, Eunhyuk.
- Sabe, - disse ele, quando se apoiou no murinho novamente. - ficaria grato se me chamasse só de Hyuk.
- Hyuk oppa? - ela brincou, e, aos poucos, ele começou a chegar mais perto.
- Hyuk oppa?
- Vocês aqui não tem essa mania de chamar de noona, hyung, dongsaeng, oppa e unnie? - ele sorriu. - Te chamarei de Hyuk oppa apartir de agora. - ela olhou para ele, de lado. - Quero dizer...
- Gostaria de te ver de novo, Sang Jin. - despejou ele, muito vermelho. Ela franziu a testa. - De verdade.
- A gente mal se conhece, Hyuk... Hyuk oppa. - foi difícil no primeiro momento.
- Eu sei. Mas eu queria te ver de novo. Você faz com que eu me sinta bem, não sei como, mas você consegue.
Ele achou que ela poderia perceber seu rosto facilmente, vermelho como uma tigela de morangos. Vermelho como um sinal de 'Pare'.
- Tudo bem. - ela sorriu, olhando para o outro lado do rio novamente. Então lembrou-se de ver a hora. - Preciso ir embora, já deveria estar dormindo, amanhã tenho que acordar cedo.
Ele pensou bastante antes de tomar uma decisão. - Posso te levar em casa?
Ela franziu a testa. - Pode.

Durante todo o percursso, eles ficaram em silêncio. Ele, por falta de palavras. Realmente ela fazia com que ele se sentisse bem, dava-lhe a sensação de paz interior, sensação de companheirismo. Sim, tinha amigos e sabia que podia contar sempre com eles. Tinha sua irmã, sempre poderia contar com SoRa. Mas Sang Jin tinha algo a mais, e ele só tinha sentido esse "quê" a mais uma única vez, há muitos anos atrás.
Ela não sabia como tinha chegado naquela situação, tinha sido tudo muito rápido. Decidira por acompanhar Eun Gun em um meeting do Super Junior, seu membro preferido passou mal e, três dias depois, estava indo para casa em sua companhia. E não tinha sido só aquilo, ele tinha dito pra ela que ela o fazia se sentir bem. Mas como, se mal haviam se falado e se visto?
- Foi seu coração. - disse ele, como se lesse os pensamentos dela. - Sua correntinha. Não sei o que tem com ela, mas ela me fez gostar de você. - comentou. Mas a verdade era que era tudo 'culpa' de Eun Gun e Donghae, que estavam numa grande amizade. Ela contava tudo para Donghae, que reproduzia para Eunhyuk. Segundo Donghae, quem não tinha gostado de todo aquele papo era Teuk, porque ele tinha realmente ficado afim de Eun Gun, e ela, agora, só vivia de papo com Donghae. O que fazia Eunhyuk rir.
- Ah. - o que mais ela poderia dizer? Estava escuro, estava frio e ela queria sua cama. Mas, ao mesmo tempo, não queria sair de perto dele. - É aqui. - disse, quando viraram uma esquina, parando perto de um prédio alto. - Obrigada por me trazer em casa, Eunhyuk... - ele deu um sorrisinho. - Digo.. Hyuk "oppa".
- Melhorou. - ele sorriu. - Então.. acho melhor eu ir..
- Não quero que fique doente de novo, ok? - ela ficou séria ao ver o sorriso dele. - Eu falo sério, não tem motivos para rir, oppa. Promete se cuidar mais?
- Prometo. - ele sorriu, vermelho. - Boa noite, Sang Jin. - ele se afastou um pouco para poder fazer uma reverência.
- Boa noite, Hyuk Jae. - ela fez uma reverência, mas mantinha a testa franzida. Ele deu um sorisinho, sem saber muito bem o que fazer. Queria dar-lhe um abraço, mas não sabia como ela reagiria, ainda mais que tinham acabado de se "conhecer" de verdade, e, além do mais, seria muito estranho. - Hyuk Jae! - ela chamou.
Eunhyuk se virou a tempo de ela se pendurar em seu pescoço e dar-lhe um apertado beijo na bochecha.
- Durma bem. - ela sorriu, apesar de sem graça. Tinha sido impulsiva, agora sim que ele não gostaria de vê-la novamente.
- Você também, Sang Jin-ssi, durma bem. - ele ia dar-lhe um beijo na bochecha, mas acabou dando no espaço entre a bochecha e a boca.
Sang Jin ficou realmente sem graça, sentia o sangue correndo gelado em suas veias e seus pêlos se arrepiando. Não, não podia. Ele era um idol, não se apaixonaria por uma fã. Era quase que impossível e, além do mais.. eles só tinham trocado algumas palavras! Ele não sabia mais do que seu nome e sua idade.
- Desculpe. - disse ele, bem baixo. - Eu já vou. Boa noite, Sang Jin. - mas ela não soltou-lhe a mão, apertando-a com força.
- Boa noite, Lee Hyuk Jae. - disse ela, antes de apertar seu pescoço novamente e apertar seus lábios contra os dele. - Durma bem e sonhe com os anjos. - completou, quando se soltou dele.
- Você também. - ele engoliu em seco, estava mais vermelho do que antes. Queria outro, um beijo melhor. Mas estava tarde demais e ela já estava muito cansada. - Tchau.
- Tchau.
Ela entrou no prédio, se sentindo a pessoa mais horrível da face da Terra. Sabia que, um dia, aquela impulsividade ocasionaria um momento de 'mico' com algum ídolo seu, e, agora, era capaz de Eunhyuk nunca mais querer vê-la.

Quando a Eunhyuk, se sentia como numa nuvem azul safira, virando o quarteirão e indo para casa, não sabendo se sorria ou ficava sério. Preferiu um meio termo. Quando chegou, Donghae o esperava, curioso. Mas ele não sabia direito o que falar, deixando o amigo a ver navios. Donghae insistiu um pouco, e eles fizeram uma sessão de troca de segredos na sala, sentados apoiados no sofá, contando tudo sobre sentimentos que já haviam sentido.
- Se você não vê-la novamente, eu vou ficar chateado com você. - Donghae sorriu, e Eunhyuk corou. - Dá pra ver que você super ficou afim dela.
- Não sei se ela vai querer me ver novamente. Mas espero que sim. - Donghae abriu a boca para contestar. - Vamos dormir, Hae, está tarde.

FIM

0 comentários: