9 de fev de 2010

bluh

Na realidade, eu esqueço desse blog como esqueço muitas coisas. Minha memória tem ficado cada vez pior, e eu estou com medo de ter amnésia, sério. Mas se bem que eu adoraria tê-la, quem sabe assim eu esqueceria a raiva, o rancor, a mágoa, o ciúme se pah - que estão me tirando a paciência e o sono há mais de duas semanas. Estou a ponto de ter um troço...
Os fatos não são ser ditos na "ordem cronológica" da coisa, então não tente entender.. se bem que eu acho que ninguém vai querer ler o motivo pela qual eu ando uma pilha e grossa nos últimos dias...
Eu não tenho vontades. Eu não tenho que "querer" alguma coisa. Aliás, eu não tenho que querer nada.

+ Pra começar, eu acho super engraçado quando certas pessoas fingem que nada aconteceu. A parada do grupo. Sei que não tenho mais nada com isso, coisa e tal, mas sabe quando você sente que ainda tem algum resquício lá no fundo? Pois é, estou assim. Confesso que às vezes penso em voltar, mas um lado muito mais consciente me diz pra não voltar, porque, se voltasse, não teria valido de nada. Quem me conhece bem sabe que faz anos que eu sonho com essa coisa de ter um grupo de dança, de fazer covers, que eu acho isso um barato. Tinha muita coisa errada. Não falo disso porque eu queria ser sei lá o que, mas certas coisas eu acho que não são do jeito que estavam sendo levadas. Faltava aquele "vamos avaliar a opinião de todos, um por um", faltava mais 'interação', se é que meio que dá pra entender. Mesmo que eu tenha ficado muito, muito magoada mesmo com as coisas que a Daniele me falou, eu ainda tenho aquele 'poxa, estou deixando de seguir uma vontade por causa de uma vaca vagabunda filha da mãe chamada Tainá' (e falo mesmo).
Eu acho engraçado que ela (Daniele) vem falar comigo como se nada tivesse acontecido. É engraçado que não não é só ela (explico isso melhor depois) e tipo, pra ela pode ter passado, pode ter passado na linha do tempo, mas pra mim, isso nunca vai passar. A minha memória é muito boa certas horas, principalmente com pequenas frases que as pessoas falam. Memorizo coisas como ninguém, porque daí eu sei me "precaver" quando as mesmas voltam a falar comigo como se nada tivesse acontecido.

+ Se tem uma coisa que eu odeio, mas odeio mesmo, com todas as minhas forças, é quando alguém cisma que sabe o que eu vou fazer. Como o layout do Lollipop. Ok, eu sempre disse e sempre repito que for necessário: o site é de vocês. A gente só tá ali pra ajudar a publicar, a fazer o A-Music ser reconhecido por meio da brilhante mente das suas fãs (nossa, me puxei agora). Não é porque eu estou "adorando", "amando", "surtando", com algum grupo ou cantor que deva dizer "o próximo layout vai ser do grupo tal" com a maior das firmezas. Se nem eu sei no que estou pensando pro próximo bicho, como alguém pode afirmar com tanta certeza que será tal pessoa/grupo/banda/sei lá? Sabe, isso me irrita tanto, mas tanto que eu prefiro ficar calada ou então mandar um "quem sabe?". Sempre quero fazer surpresa pra algum grupo, é mó engraçado escolher tema com a Lets e a Jenny. Cada uma quer uma coisa. Pro lay do Shinee, a gente ultra fez 'unidunitê', foi muito engraçado! Super Junior ganhou na enquete (a coisa estava tão feia que a gente resolveu perguntar, por meio de votações, quem elas queriam) e eu já tenho idéias pro próximo. Só quero ver o que vão dizer. Se acertar, um beijo e um queijo, parabéns, se não, sinto muito. Aliás, já prevejo esse layout, mas o do Super Junior está cada vez mais claro \o/

+ Sei que não tem NADA a ver, mas bom, anteontem de madrugada entaram entrar aqui em casa. Eu já não ando muito legal, quem disse que essa noite eu preguei o olho? Qualquer barulho eu já levantava com as minhas baquetas (que arma, hein!) nas mãos. Se eu visse alguém estranho, descia a baquetada. Sei que isso não me fez dormir bem, foi péssimo pro meu emocional, agora eu vou na esquina e tranco tudo bem fechadinho. Eu confesso, estou apavorada.

+ Domingo a Lu esteve aqui no Rio. Mas era aniversário da minha prima, e eu não podia ir sozinha por dois motivos: o pôrto é totalmente contramão e eu não podia dirigir sem carteira (imagina ter a mesma apreendida sem nem tê-la pêgo!?). Como sempre, meu pai enrolou. E enrolou. E enrolou ainda mais. Eu já tava baleada com outras coisas, juntando com isso... A Lu deve estar me odiando, e eu não tiro a razão dela. Eu já não vi a Natalia quando ela veio, e eu aposto que ela ainda deve estar entristecida comigo. Agora a Lu. A Lu, minha psicóloga particular, futura motorista de Porto Alegre, a Srta. Bochechas? Putz... sem contar meu tio (eu não chamo ele de tio porque é estranho), me empurrando vodca com limão quase toda hora. Meu primo meio que parecia estar gostando. Seria muito legal se eu levantasse do nada, pegasse as chaves e dirigisse até o Pôrto. Que eu nem sei onde fica muito bem.

+ É impressionante como a minha família me deixa chateada. Se um dia eu tiver uma, farei de tudo pra que eu não aprenda esse recurso do "Decepcione seus filhos", sério. Eu estou me sentindo muito mal, acabei a faculdade e não tenho passado em nenhuma entrevista. Daí pensei em entrar num cursinho pra tentar vestibular pra Geologia (que eu adoro muito). Eu recebi um "dê mais um tempo porque você acabou de terminar um curso". Ok. Mas depois ficar dizendo pra mim que eu tenho que fazer alguma coisa porque eu sou meio desocupada foi a aranha do paliteiro! Eu falo que pretendo fazer alguma coisa e me desmotivam, depois falam pra mim que eu sou desocupada! ¬¬
Sem contar o tanto de vezes que parece que todo mundo combina de me zoar. Como no dia do jogo. Eu fiquei tão enfurecida que peguei minha mochila e vim pra casaàs duas da manhã. Eu sei que fazer bico e bater pé não leva a lugar nenhum, mas pombas, tem vezes que não dá pra segurar.

+ Isso pode sim ser caracterizado como "oi, sinal de ciúme", eu não nego, não. Mas tipo, eu fico triste quando alguém que eu gosto me deixa com cara de tacho, demorando anos pra responder. Se tá demorando, existe o recurso "ocupado", "ausente". Falo mais isso por causa da Yayoi, porque tipo. Eu confesso, eu tenho ciúmes mesmo de quando ela fica de nhenhenhe com as meninas lá do S7, e daí? Eu meio que falei pra ela, já, mas às vezes ela parece abstrair essas coisas e me deixa irritada. Eu só queria saber por que eu fico mais assim com ela, já que quando é a Gabi eu super entendo. Não conheço a Judis, mas ela deve ser muito doida (principalmente de ter a Gabi como amiga, mas ok ^^). Sabe, me deixa meio 'rrrr' esse tipo de coisa. Pode ser até ciúme bobo, aliás, É, mas tô cagando e andando pros "larga de ser idiota"...

+ Acho que o motivo principal da minha "quase depressão" é que... a Bela morreu! *chora* Meu Deeeeeus, a Bela morreu, o que vai ser de mim sem a Bela! Belaaaa~~~!
Ok, mentira. O motivo principal acho que é o mesmo desde quase sempre: amizades. Eu me sinto meio DaLung quanto a isso, porque eu não tenho amizades, sério. Mas a diferença é que eu tenho, mas em outros Estados (maioria leia-se: São Paulo). A Gabi mora em são Paulo. A Goddess mora em São Paulo. A Mihoshi mora em Minas. Ok, elas são umas fofas, mas sabe quando você sente falta de alguém perto da sua casa, ou até na mesma cidade, sei lá - que ligue pra você e diga "Ei, vamos pra praia?" ou um "estou indo praí" quando percebesse que você está muito mal no telefone? Eu não tenho isso, aqui. Eu conheço a Miry e a Bruna, ok, mas isso meio que não existe, sabe. Eu me sinto super por fora, muitas vezes. Pode parecer ridículo isso, mas a sensação não é tão ridícula. De faculdade, eu tentei várias vezes, confesso, mas nunca deu certo.
Ok que os jovens de hoje só pensam em duas coisas: sexo e bebida, e tipo, eu não penso assim. Eu gosto de coisa babaca, sabe, de ir no shopping só pra ficar "brincando" de figurinista de novela. Lembro que uma vez fiz isso, mas faz muito, muito tempo. Enquanto minha colega estava se vestindo de tudo um pouco, eu moldava um script, sentada no chão, escrevendo no guardanapo do Bob's. Foi ridículo. Mas ultra engraçado.
Eu sinto falta de fazer coisas idiotas, sabe. De rir até a barriga doer com a bobeira de alguma colega, de sair só pra tomar um sorvete na esquina ou de fazer bagunça...
Daí você me diz, "Ok, mas isso não te dá a liberdade de ser grossa com as outras pessoas". É, realmente. Mas sinceramente, eu só sou grossa com quem eu estou irritada. Posso estar numa boa conversando com você e estar dando patadas em outra pessoa.

+ O que me animou um pouco foi que ontem, pela primeira vez, eu me senti legal. O Rodrigo (do Corcovado - o que sumiu do nada) foi olhar meu orkut. Como eu não esqueci (e não vou esquecer nunca) o que aconteceu, fui nos recados dele e fui curta e grossa, dizendo que se passou no meu profile ou deixava mensagem ou não visitava mais. E que existe um recurso chamado "ocultar" que não deixa que os outros vejam quem andou olhando seu orkut. Daí ele veio todo querido, querendo meu telefone de novo, dizendo que eu estava bonita, etc. Cortei na hora. Ele some do nada, não fala mais comigo do nada e ainda vem com essa? Ele tinha bebido ou o que?
Então ele veio falar comigo no messenger. Eu nunca me senti tão fã de Street Fighter na vida, sério. Era hadouken atrás de hadouken. Patada atrás de patada. A Gabi ria tanto, mas tanto que dava pena dela rindo. Eu não estava sendo nem um pouco legal, confesso, mas foi realmente engraçado ver que ele ainda tinha coragem de agir como se "nada tivesse acontecido".

+ Nada a ver de novo: Os garotos do M.I.C postaram músicas novas no sie do Migu e eu, como sempre, começei a chorar. Se eu for chorar sempre que vir algo novo desses garotos, nossa, tô ferrada xD Imagina quando os conhecer! Pronto! xD *daí eu peço um abraço pro líder awn <3*

Resumindo: Eu tenho que me fingir de contente muitas vezes quando minha vontade é totalmente o contrário. Eu não quero mais ficar que nem no domingo, que fiquei horas chorando feito uma idiota. Mas tá difícil, viu...
O ruim de ser legal é que você acumula muitas coisas. Certas pessoas não falam "olha, isso me chateia, isso, isso e isso", guardam para todo o sempre. Um dia, elas tem a primeira explosão e as pessoas acham que esse ser em questão ficou louco. Depois de um determinado momento, você acha que todas as pessoas que te chateiam merecem o desprezo. Aliás, mais do que isso. E no último momento, você acaba se apiedando de si.
Pra mim chega.

0 comentários: