8 de mai de 2010

A Arte Da Guerra


"Não quero tomar injeção"


Se tem uma coisa nessa vida que eu odeio é agulha. Sempre faço de tudo pra fugir de vacinas, injeções e etc. Mas ontem foi a segunda vez na vida que enfrentei isso.

Minhas histórias de "fuga do posto de saúde" são intermináveis. Nunca mais me esqueço de quando tinha 6 anos. Eu tinha acabado de me mudar, por assim dizer, e o posto estava lotado. A fila dava volta, e, é claro, as criancinhas berrando, se debatendo. Nenhuma fugiu. Nenhuma foi má como eu. Bom, basta dizer que ficamos uma hora quase na fila e, quando chegou a minha vez e aquela mulher grande e gorda que ocupava duas carteiras me olhou com aquela cara de "vou arrancar seu braço", soltei da mão da minha mãe e corri o máximo que eu pude. Minha sorte é que o posto tinha como sair correndo pra pracinha, que era perto de onde eu morava. Pretendia chegar em casa e me trancar no banheiro, e nunca mais sair. Obviamente esbarrei em um ser humano (leia-se: o pai dum colega de classe) e ele me segurou. E eu não fugi da injeção.
Ela também foi memorável porque, quando voltei pro posto, estava conhecida como a "menina voadora" (apelido que resiste até hoje - é só ver o vídeo de formatura xD). A titia fez de novo aquela cara e segurou meu braço de uma tal maneira que ficou um hematoma. Pior, mexi o braço e rasgou um pouco. Tenho até hoje essa marquinha, tão meiga ela é. Nunca me faz esquecer do pavor que tenho de postos de saúde.

Isso vale para tirar sangue também. Antigamente, era meu pai me segurando no colo, minha mãe, duas enfermeiras e a médica pra coletar o sangue. É, posso dizer que, definitivamente, eu era escandalosa. Quem hoje me vê falando baixo, me dizendo "Fala mais alto que eu não te entendo!", mal sabe os decibéis que minha voz alcança. A última vez que eu o fiz, se não me engano, foi quando ainda estagiava no Corcovado e estava a complicação de Carnaval. Só Deus sabe o quão lotado aquilo estava e o quanto fiquei cansada, ao chegar de noite e chorar. Acho que posso dizer que uma das minhas qualidades é não aparentar estresse, pelo menos trabalhando. Mas isso é assunto para outro post (você sabe, lidar com o público não é uma tarefa fácil).

Há três anos, quase quatro, eu tive apendicite. É algo que não desejo pra ninguém, mas enfim. Fiz tudo quanto era tipo de exame que você pode imaginar. Ao que tudo indicava, era apenas "uma má digestão", e só apareceu quando fiz a tal tomografia. Até lá, minha amiga, perdi as contas de quantas vezes fui furada, mas contabilizo umas seis ou sete. Em cada mão. Minha veia aparece fácil, mas foge que é uma beleza!
Então veio a anestesia, a viagem astral até a Irlanda da Idade Média, onde os campos são verdes para vê-la de novo, meu amor. Ruim mesmo foi quando acordei. O remédio estava indo para não sei onde, no meu braço, e não para a veia. Até achar a veia, rá! Foram dez vezes, repito: DEZ VEZES, sendo cinco em cada braço. Eu morria de dor e não podia me mexer (sou inquieta, btw), e ainda estava sendo furada várias vezes.

Depois disso, meu pavor diminuiu um pouco. Um pouco, só. Mesmo assim, ainda resiste, firme e forte.

A primeira prova de que ela estava sumindo foi ano passado. O povo tinha que se vacinar pra anti tetânica, se não me engano, e eu, que sempre fugi, tive que tomar. Entende, fui 'obrigada' a tomar e tinha um prazo: se até sexta feira eu não me vacinasse, sábado, bem pimpona, iria com a mamãe e o papai e mais três enfermeiras para me segurar. Olha que coisa petita, uma guria de 20 anos sendo segurada pra injeção! Daí pensei, "Ah, que se exploda!", tinha tempo antes do estágio e fui no posto perto da faculdade. Minha carteira de vacinação está um horror de velha (condiz com a dona!), então fiz um daqueles papéis. Virei a cara e foi. Minha primeira experiência em tomar vacina sozinha, fiquei tão orgulhosa de mim! Mas sabe como é, grandes feitos são desprezados pela sociedade, logo, passou batido e com um "não fez mais que sua obrigação".

Eis que o feito extraordinário se repetiu ontem (enrolei anos pra chegar onde queria)! Acho que me arrependo loucamente.

Eu não sou de ficar doente fácil. Claro, tenho uma dor de cabeça ali e uma dor muscular ali, mas de ficar doente mesmo, ter febre, ficar de cama, conto nos dedos as vezes. Tive todas as doenças da infância (mamãe me desmentiu agora, dizendo que só não tive sarampo). Se bem que conjutivite... /hm. Enfim.

Então acho pouco provável que eu tenha a gripe do bichinho, lá, o H1N1. Mas não aguentava mais meu pai bizungando no meu ouvido, "você precisa se vacinar, não sei o que, bla bla bla"! e ontem resolvi.

Tinha que ir a Copacabana para uma entrevista e bem do lado da saída da Siqueira Campos tem um posto. Cogitei em ir antes ou depois da entrê, e daí pensei: "Ah, que se exploda". E entrei no posto, até bonitinho.
Primeira cena: garotinha armando um causo (leia-se: fugindo) para não tomar a bicha. Sabe, me vi naquela guriazinha de vestidinho verde e pensei "eu era assim, hoje sou um ser maior de idade e não posso pagar mico". Mas bem que eu estava quase desistindo quando estava chegando minha vez. Fiz o papelzinho e ergui a cabeça. Tinha que fazer mesmo, né, vamos acabar logo com isso.
A menina que aplicou foi até simpática, coitada.Fez uma brincadeirinha de duplo sentido comigo (que eu só percebi quando cheguei em casa, e olha que eu passei em vários outros lugares antes!) e disse que ia arder um pouco. Um pouco? Meu braço está caindo, droga!

Na hora não doeu. Mas olha.. com o passar dos minutos, foi chegando uma dor... bah! É pior que dor muscular, como dói! Eu não consigo erguer o braço desde ontem! Vacina filhadamãe (desculpe)!

E pra dormir essa noite, sem posição? Que afliçãaaaaao! Foi horrível! Pior que ainda dói e pior que meu pai acha que é doce. CARA, NÃO É! Nossa, só consigo erguer o antebraço, mas só um tiquinho, porque dói tudo, um horror!




Bom, saindo do assunto dolorido (e bota dolorido nisso!), quero enfatizar o quanto ando doida. Quero dizer, eu, Gloria e Mia. Ou Mia, Gloria e eu, se formos brincar de "quem está na foto". Só me lembro de falar besteiras assim com a Gabi e a Goddess! Nossa, eu ri tanto! Parecíamos três bêbadas no Twitter, sem contar Facebook e msn! Pior, a Gloria estava logada nos dois twitter's, no pessoal e no que a gente divide para a promoção dos garotos, o MadeForMIC. Criando regras, passando resenhas pra Mia traduzir, criando casais com o F(x) (fiquei contente que o Yongxin é de "geral" LOL - a Mia ficou meio assim, né, mãããããs.. xD). Definitivamente estamos cada vez mais retardadas! E isso é bom, porque mostra que estamos ficando uma equipe unida! (e eu não me decido quem é meu favorito!)

música tema do Pequeno Scooby Doo

3 comentários:

nihs disse...

haushuahsuas eu tb sou assim..odeiooo agulhas...
pra tirar sangue..nossa..qse sempre desmaio..T_____T
e qdo eu tomei a da gripe suina..vixee..meu braco ficou doendo..T_T odeiooooo XDDD

Gabrielle disse...

Quando vc me falou da dor ontem eu qse morri de medo de tomar a vacina hj...

Mas se eu n tomasse o Sr. Park (a.k.a papai) iria ficar me enchendo os pacová até o fim das eras...

Fui no postinho do Bom Retiro, coreanos lá? Poucos...desde a menina q te atende até o segurança..porem a abençoada que me aplicou a vacina não era, e só faltou relinchar de tão delicada q ela era!

Mas, apesar de ter qse o braço perfurado...pq sim, ela enfiou a agulha todinha no meu braço...

Ele não tá doendo o/

Mas fico com pena de vc minha dongzinha querida!

Roses disse...

Segunda vez?? Óia que eu vivo me espetando, é analgésico no pronto-socorro, doação de sangue...

Dá-lhe meninas voadoras haha parece a minha unnie, que até arrebentou pulseira (de ouro!) da dentista na hora da anestesia.

Eu nunca operei, nem ao menos passei uma noite no hospital, talvez por isso nem me incomode com agulhas e afins^^ E não me vale em velha, e minha carteira de vacinação quase se desfez quando fui tomar a H1N1 haha

Eu falei pra mamãe que é mais fácil eu morrer de traumatismo craniano de tanto que eu caio do que de gripe do porco, mas como minha irmã é que nem você, eu tomei a vacina pra dar um apoio moral, o "exemplo de dongsaeng" kekeke

PS:Dor nunca é manha, só no caso da minha unnie que disse que a dor da vacina espalhou até a perna lol