22 de ago de 2010

Sunday Bloody Sunday

Meu dia era para ter sido um máximo e foi uma droga. A única coisa que me salvou foi esse livro maravilhoso que comprei.


Enquanto a Majory experimentava roupas e sapatos ("3 dias e meio de loucura" no Iguatemi, leia-se, promoção de até .. 80%? Moro do lado e não sei), li algumas páginas e é tão bom!
Se chama "As Garotas da Fábrica", de Leslie T. Chang, e fala sobre duas jovens que tentam crescer na vida por meio de linhas de montagens nas fábricas, no sul da China, no meio das mudanças que estão acontecendo no país. Da China rural para a China urbana, perdidas dentre várias "revoluções". Eu mal começei o livro, mas não vejo a hora de finalizá-lo. Parece ser muito interessante e te prende logo no início... mentira, eu não aguento ter um livro nas mãos e não acabar com ele logo. Fico me sentindo mal.
Bom, se o Washington Post diz que é bom, então deve ser mesmo =P

Hoje descobri tantas coisas ruins. Coisas que eu já imaginava mas esperava que não fossem verdade, infelizmente são. Cada palavra que eu ouvia era uma chicotada em todas as coisas que eu aprendi na vida. É como de repente descobrir que está andando sem um chão e não ter nada para se apoiar. O que eu descobri hoje foi, por um lado, muito bom. Saber que não é somente eu que me sinto mal a respeito de várias coisas foi um tremendo alívio. Por outro, saber que você não pode confiar em quem você mais gosta dói muito. Sinto que já não conheço mais ninguém. Os valores que conheci sobre amor, amizade, confiança... já não existem mais.

Nessa vida, nada é para sempre, mesmo. Amor, amizade, paixão, sentimentos... será isso descartável?



0 comentários: